RELATIVO

 

 
a) Em sentido lógico, um conceito se qualifica como relativo somente quando pode definir-se reconduzíndo-o a outro conceito auxiliar. Analogamente ao que se faz em linguagem ordinária, em Física se utilizam muito conceitos relativos neste sentido lógico. Constituem um exemplo os conceitos de direção, como direita e esquerda, frente e trás, para cima e para baixo, que somente podem definir-se um com respeito ao outro, ou seja, em relação a um observador para o qual se hão fixado de antemão os conceitos correspondentes. Outro exemplo muito simples, mas importante, é proporcionado pelo conceito de movimento. Somente podemos expressar o que se entende por movimento considerando algo em repouso, o qual constitue o chamado sistema de referência. É impossível imaginar o movimento sem considerar alguma coisa imóvel.
b) Em sentido físico, se diz que um conceito é relativo quando, para que seja perfeitamente fixado, é preciso estabelecer uma convenção auxiliar, dado que as leis naturais sozinhas não podem proporcionar uma característica unívoca. Por exemplo, na imagem do Universo de Ptolomeu (consistente num mundo em forma de prato, coberto pela abóboda celeste curvada), os conceitos de para cima e para baixo, embora relativo em sentido lógico, eram absolutos em sentido físico, já que a direção para baixo aparecia como univocamente privilegiada pela Natureza como direção para onde os corpos caem. Foi preciso que se considerasse que a Terra era uma esfera que flutuava no espaço, rodeada de um campo gravitatório dotado de simetria aproximadamente esférica, para que os conceitos de para cima e para baixo se convertessem em conceitos relativos. Com efeito, nestas condições já não era possível dar a conhecer qual era, por exemplo, a direção para cima, sem referir-se expressamente a um ponto da Terra ou do céu. Nenhuma lei natural prescrevia a eleição. O princípio de relatividade e as teorias de relatividade da Física, fazem sempre a afirmação de que certos conceitos são relativos no sentido físico indicado: quer dizer, contêm necessariamente convenções feitas pelos homens . Por exemplo, a teoria da reatividade de Einstein relativiza o conceito de velocidade de translação (tal como já havia feito o princípio de relatividade de Galileu da Mecânica de Newton), porém, vai mais longe e relativiza os conceitos de simultaneidade, de espaço, de tempo, assim como o fracionamento do campo eletromagnético em seus componentes elétrico e magnético. De certo modo, a teoria da relatividade geral, relativiza todas as afirmações que se referem a movimentos, ao negar a existência de sistemas de referência privilegiados na Natureza.
 
POSTED BY SELETINOF AT 5:54 PM

 

Anúncios

Sobre seletynof

Escola (ensino médio):Colégio Marista Cearense;Faculdade/Universidade: Universidade Federal do Ceará;Curso:Física; Diploma:Pós-Graduação em Física;Profissão:físico e professor; Setor:Científico.

Publicado em 25 de janeiro de 2007, em FISICAMATEMATICA. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: